Quem Foi Sigmund Freud? Biografia e Teorias Científicas

Sigmund Freud foi um neurologista austríaco mais conhecido por desenvolver as teorias e técnicas de psicanálise.

Sigmund Freud foi um neurologista austríaco que desenvolveu a psicanálise, um método pelo qual um analista desvenda conflitos inconscientes com base nas associações livres, sonhos e fantasias do paciente. Suas teorias sobre o lado infantil, libido e ego, entre outros tópicos, foram alguns dos conceitos acadêmicos mais influentes do século XX.

Sigmund Freud: teorias e conceitos

Vida em jovem, educação e carreira

Freud nasceu na cidade austríaca de Freiberg, hoje conhecida como República Tcheca, em 6 de maio de 1856. Quando ele tinha quatro anos, a família de Freud mudou-se para Viena, cidade onde ele viveria e trabalharia durante a maior parte do resto de a vida dele. Ele recebeu seu diploma de médico em 1881. Como estudante de medicina e jovem pesquisador, a pesquisa de Freud se concentrou na neurobiologia, explorando a biologia do cérebro e do tecido nervoso de humanos e animais.

Após a formatura, Freud prontamente abriu um consultório particular e começou a tratar vários distúrbios psicológicos. Considerando-se antes de tudo um cientista, ao invés de um médico, ele se esforçou para compreender a jornada do conhecimento e da experiência humana.

No início de sua carreira, Freud foi muito influenciado pelo trabalho de seu amigo e colega vienense Josef Breuer, que descobrira que, ao encorajar um paciente histérico a falar desinibidamente sobre as primeiras ocorrências dos sintomas, os sintomas às vezes diminuíam gradualmente.

Depois de muito trabalharem juntos, Breuer encerrou o relacionamento, sentindo que Freud dava muita ênfase às origens sexuais das neuroses de um paciente e não estava disposto a considerar outros pontos de vista. Enquanto isso, Freud continuou a refinar seu próprio argumento.

Teorias

A teoria psicanalítica de Freud, inspirada por seu colega Josef Breuer, postulou que as neuroses tiveram suas origens em experiências profundamente traumáticas ocorridas no passado do paciente. Ele acreditava que as ocorrências originais haviam sido esquecidas e escondidas da consciência. Seu tratamento consistia em capacitar seus pacientes a relembrar a experiência e trazê-la à consciência e, ao fazê-lo, confrontá-la intelectual e emocionalmente. Ele acreditava que alguém poderia então descarregá-lo e livrar-se dos sintomas neuróticos.

Algumas das teorias mais discutidas de Freud incluem:

Ego e superego: essas são as três partes essenciais da personalidade humana. O inconsciente primitivo é, impulsivo e irracional que opera exclusivamente no resultado do prazer ou da dor e é responsável pelos instintos de sexo e agressão. O ego é o “eu” que as pessoas percebem que avalia o mundo físico e social externo e faz planos de acordo. E o superego é a voz moral e a consciência que guia o ego; violá-lo resulta em sentimentos de culpa e ansiedade. Freud acreditava que o superego foi formado principalmente nos primeiros cinco anos de vida com base nos padrões morais dos pais de uma pessoa. E continuou a ser influenciado até a adolescência por outros modelos.

Recomendado:  Os Gatos Sonham? Descubra!

Energia psíquica: Freud postulou que o inconsciente primitivo era a fonte básica de energia psíquica ou a força que impulsiona todos os processos mentais. Em particular, ele acreditava que a libido, ou impulsos sexuais, eram uma energia psíquica que impulsiona todas as ações humanas; a libido foi combatida por Thanatos, o instinto de morte que impulsiona o comportamento destrutivo.

Complexo de Édipo: entre as idades de três e cinco anos, Freud sugeriu que, como parte normal do processo de desenvolvimento, todas as crianças são sexualmente atraídas pelos pais do sexo oposto e competem com os pais do mesmo sexo. A teoria leva o nome da lenda grega de Édipo, que matou seu pai para que ele pudesse se casar com sua mãe.

Análise dos sonhos: em seu livro “The Interpretation of Dreams“, Freud acreditava que as pessoas sonhavam por uma razão: para lidar com problemas com os quais a mente está lutando inconscientemente e não pode lidar com eles conscientemente. Os sonhos eram alimentados pelos desejos de uma pessoa. Freud acreditava que, ao analisar nossos sonhos e memórias, podemos compreendê-los, o que pode influenciar subconscientemente nosso comportamento e sentimentos atuais.

As teorias de Freud foram, sem dúvida, influenciadas por outras descobertas científicas de sua época. A compreensão de Charles Darwin da humanidade como um elemento progressivo do reino animal certamente influenciou a investigação de Freud sobre o comportamento humano. Além disso, a formulação de um novo princípio pelo cientista Hermann von Helmholtz, afirmando que a energia em qualquer sistema físico é sempre constante, informou as investigações científicas de Freud sobre a mente humana. A obra de Freud foi elogiada e criticada com entusiasmo, mas ninguém influenciou a ciência da psicologia com tanta intensidade quanto Sigmund Freud.

A grande reverência que mais tarde foi dada às teorias de Freud não ficou em evidência por alguns anos. A maioria de seus contemporâneos achava que sua ênfase na sexualidade era escandalosa ou exagerada. Em 1909, foi convidado a dar uma série de palestras nos Estados Unidos.

Livros

Freud publicou uma série de obras importantes sobre psicanálise. Alguns dos mais influentes incluem:

‘Studies in Hysteria’ (1895)

Freud e Breuer publicaram suas teorias e descobertas neste livro, que discutia suas teorias de que, ao confrontar o trauma do passado de um paciente, um psicanalista pode ajudar um paciente a se livrar das neuroses.

‘A Interpretação dos Sonhos’ (1900)

Em 1900, após um sério período de auto-análise, Freud publicou o que se tornou sua obra mais importante e definidora, que postula que a análise dos sonhos pode dar uma visão sobre o funcionamento da mente inconsciente. O livro foi e continua sendo controverso, produzindo tópicos como o complexo de Édipo. Muitos psicólogos dizem que esse trabalho deu origem ao pensamento científico moderno sobre a mente e os campos da psicologia, psiquiatria e psicanálise.

Recomendado:  Quem Foi Carl Jung? Biografia e Teorias Científicas

‘The Psychopathology of Everyday Life’ (1901)

Este livro deu origem ao chamado “lapso freudiano” – o significado psicológico por trás do uso indevido de palavras na escrita e na fala do dia a dia e o esquecimento de nomes e palavras. Esses deslizes, ele explicou por meio de uma série de exemplos, revelaram nossos desejos, ansiedades e fantasias interiores.

‘Três ensaios sobre a teoria da sexualidade’ (1905)

Embora ninguém morra sem sexo, toda a humanidade morreria sem ele – então, o sexo impulsiona os instintos humanos, acreditava Freud. Neste trabalho, ele explora o desenvolvimento sexual e a relação entre sexo e comportamento social sem aplicar seu polêmico complexo de Édipo.

O que aconteceu quando Freud publicou “A Interpretação dos Sonhos?”

Pode-se dizer que os campos da psicanálise, psiquiatria e psicologia nasceram, mas muito mais importante, o pensamento científico sobre a mente começou. Antes disso, o cérebro era algo físico e a mente uma espécie de mundo espiritual. Havia ciência sobre o cérebro e especulações incríveis sobre a mente. Depois de Freud, o estudo da mente tornou-se mais sério e científico.

Para colocar de uma forma muito simples, foi através da teoria de Freud que compreendemos pela primeira vez que sonhamos por uma razão. Essa razão é lidar inconscientemente com os problemas com os quais a mente consciente não pode lidar. Essa teoria significava que a mente obedecia às suas próprias regras. As pessoas se empenham em descobrir essas regras e as razões para elas.

Freud foi a primeira pessoa a olhar para a mente cientificamente?

Não, mas em “A Interpretação dos Sonhos” ele foi a primeira pessoa a olhar para a mente e a desenvolver uma teoria sobre sua base e criação. As declarações de Freud no livro sobre o consciente e o inconsciente deram rótulos às partes etéreas da mente que nos tornam humanos. Com efeito, ele estabeleceu a base para nosso pensamento atual sobre a mente. Antes disso, o pensamento era muito mais espiritual ou mesmo alquímico.

Freud estabeleceu uma linha de base científica

Nesta obra ele começou a criar um meio de pensar e estudar a mente, pode-se comparar com a descoberta de Newton das leis da gravitação, sem elas você não tem como estudar muito de física. Com o trabalho que Freud começou, há uma base para estudar tudo, desde a guerra até aos medos e esperanças mais secretos de uma pessoa.

Quando e como Freud descobriu a psicanálise?

Sigmund Freud sempre se interessou em examinar seus próprios pensamentos e motivações. Depois que seu pai morreu em 1896, ele se submeteu a uma auto-análise.

Como ele fez isso?

Ele analisou seus sonhos, suas memórias de infância, memórias da tela, lapsos de língua e episódios de esquecimento. As memórias figurativas são memórias de eventos que, na verdade, representam outras memórias que foram esquecidas. Essas memórias podem ter uma qualidade vívida incomum porque representam uma convergência de uma variedade de cenas.

Como Freud fez a auto-análise?

Ele teve um sonho (“sonho de fechar os olhos”) na noite seguinte ao funeral de seu pai em outubro de 1896, que o levou a empreender um processo sistemático e contínuo de autoexame (em contraste com episódios isolados de análise anteriores). Essa análise incluiu um exame das emoções complexas e ambivalentes que ele sentia em relação ao pai. Durante essa auto-análise, ele desenvolveu a ideia do Complexo de Édipo (isto é, os sentimentos complicados de uma criança em relação aos pais).

Recomendado:  Sonhos Premonitórios: O Que São e Como Entendê-los?

Onde Freud escreveu sobre sua auto-análise e seus próprios sonhos?

Principalmente na sua obra, The Interpretation of Dreams. Em 1902, Sigmund Freud registrou 50 sonhos, 43 dos quais são descritos em A Interpretação dos Sonhos; quatro em “On Dreams”; e três em suas cartas a seu colega Wilhelm Fliess.

Freud percebeu que a morte de seu pai foi um estímulo central para sua auto-análise e seu livro de sonhos.
Em um prefácio à segunda edição em 1909, ele escreveu: “Este livro tem um significado subjetivo adicional para mim pessoalmente – um significado que eu só entendi depois de tê-lo concluído. Eu descobri uma parte do meu eu através da auto-análise, minha reação à morte de meu pai. Isto é, ao acontecimento mais importante, a perda mais pungente da vida de um homem. Tendo descoberto que assim era, me senti incapaz de apagar os traços da experiência . “

O que realmente significa analisar sonhos e outros elementos, como memórias?

Analisar sonhos, memórias é tentar entender como eventos do passado, incluindo o passado distante na infância, continuam a influenciar ativamente nosso comportamento e sentimentos atuais sem que tenhamos consciência de sua influência.

Como Sigmund Freud analisou sonhos?

Ele ouviu as associações do sonhador (as suas e as dos pacientes). Por meio das associações e conexões é possível compreender os motivos dos sonhos: situações conflitantes atuais e passadas.

Como esses eventos continuam a nos afetar, se não temos consciência deles?

Freud formulou a hipótese de que essas memórias continuam a existir fora de nossa consciência, inconscientemente.

Qual é a conexão entre a atividade mental inconsciente e do sonho?

Sigmund Freud disse que “a interpretação dos sonhos é o caminho real para o conhecimento das atividades inconscientes da mente.” Ele quis dizer que, como os sonhos são uma atividade inconsciente, eles dão uma visão quase direta do funcionamento da mente inconsciente.

Como os contemporâneos de Freud reagiram à publicação de A Interpretação dos Sonhos?

A primeira reação foi publicada em 16 de dezembro de 1899. A resenha foi em uma revista literária (na verdade, ele era mais apreciado pelo público leigo do que pelo público científico), por Carl Metzentin, e o último parágrafo merece ser citado: “Devemos agora abandonar o prazer de seguir mais adiante as astutas – e freqüentemente ousadas – observações do médico vienense. Apenas mais uma nota da conclusão de sua obra que marcou uma época, uma nota que diz respeito ao valor dos sonhos para adquirir conhecimento do futuro . “Em todos os aspectos, os sonhos são filhos do passado. Há um grão de verdade, porém, na antiga crença de que podemos ver neles nosso futuro. Ao nos mostrar nossos desejos como realizados, eles apontam para o futuro. Mas esse futuro, que o sonhador confunde com seu presente, é modelado pelo desejo indestrutível à semelhança do passado. ‘”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *