Quem Foi Carl Jung? Biografia e Teorias Científicas

Carl Gustav Jung nasceu na Suíça em 26 de julho de 1875. Seu pai, Paul Jung, era pastor cristão. Sua mãe era uma dona de casa típica durante o dia, mas se transformava, segundo Jung, em uma mulher misteriosa e temível à noite. Quando criança, o próprio Jung experimentou uma dualidade de ser, sentindo-se alternativamente como um colegial normal e um distinto cavalheiro do século XVIII. Esses encontros com personalidades divididas, tanto indiretas quanto diretas, influenciaram o conceito mencionado de Jung de “a divisão” em que a psique de uma pessoa é fragmentada em partes isoladas.

Poucos psicólogos são tão conhecidos ou despertam tanto interesse quanto Carl Jung. O seu trabalho foi focado no tratamento do inconsciente como uma entidade coletiva, intuitiva e criadora de significado, cuja integração com o “Eu” é crucial para o funcionamento pessoal e social saudável.

Jung acreditava que a ênfase exagerada do mundo pós-Iluminismo na conformidade e na racionalidade fez com que a humanidade isolasse sua mente consciente da inconsciente e mais mística e, no processo, perdesse seu senso de maravilha, significado e conexão com o mundo e um outro. Ele via esse isolamento como responsável pela epidemia de indivíduos neuróticos que se distraem com seu mal-estar entregando-se a gratificações como comida, drogas e álcool.

Outras ocorrências na vida adolescente de Jung formataram o seu pensamento como adulto. Por exemplo, a descoberta de Jung da prática aborígene de coletar pedras da alma, que se assemelhava a seu ato de infância de criar uma estatueta e dotá-la de uma pedra pintada, ajudou a inspirar a teoria de Jung do inconsciente coletivo. Da mesma forma, Jung usou sua experiência de ser nocauteado por um colega de classe e sua aversão temporária à escola que se seguiu para formular suas idéias sobre complexos. Finalmente, a compreensão de Jung de sua própria subjetividade aos 11 anos, que mais tarde ele descreveu como “saindo de uma névoa”, forneceu o germe do que se tornou o tema abrangente da psicologia analítica da individuação.

As ideias de C.G. Jung (1875-1961) continuam sendo uma valiosa fonte de orientação para o mundo dos sonhos.

Recomendado:  Como Lembrar dos Sonhos: Dicas Práticas

Muitas outras teorias foram propostas desde sua época, e alguns de seus pensamentos agora parecem datados à luz de desenvolvimentos científicos e culturais posteriores. Mas seus principais trabalhos sobre a natureza e os significados dos sonhos ainda permanecem como talvez os escritos mais profundamente perspicazes sobre sonhos de qualquer psicólogo ocidental.

Abaixo está um breve esboço de alguns dos principais conceitos e temas da teoria dos sonhos de Jung.

Carl Jung: Conceitos e Estudos Sobre Sonhos

Muita concordância com Freud e uma grande diferença

Jung aprendeu várias ideias-chave com seu primeiro mentor, Sigmund Freud (1856-1939). Tanto Jung quanto Freud concordaram que sonhar é um produto significativo de forças inconscientes na psique, com raízes profundas na biologia evolutiva de nossa espécie. Ambos concordaram que os sonhos são aliados valiosos na cura de pessoas que sofrem de vários tipos de doenças mentais. Ambos usaram a melhor neurociência de sua época para informar suas teorias, e ambos foram além dos limites da ciência do cérebro para buscar idéias sobre a natureza do sonho na mitologia, história e arte. Ambos acreditavam que um maior conhecimento do sonho poderia nos ajudar a entender melhor os mistérios filosóficos de como a mente e o corpo interagem.

A diferença mais fundamental nas teorias dos sonhos de Freud e Jung era esta: a abordagem de Freud olhava para trás e focava nas fontes causais dos sonhos nas primeiras experiências de vida. A abordagem de Jung olhou para a frente e tentou entender aonde os sonhos podem estar levando e o que eles podem revelar sobre o futuro desenvolvimento da vida do indivíduo.

Compensação

A principal função do sonho, de acordo com Carl Jung, é a compensação psicológica. Os sonhos ajudam a manter um equilíbrio dinâmico e saudável entre a consciência e o inconsciente. Quando o ego desperto se torna muito unilateral, ou se tenta reprimir, uma parte do inconsciente por via de sonhos emergem para destacar o desequilíbrio e guiar o indivíduo de volta ao caminho para se tornar um eu mais integrado.

“O erro fundamental a respeito da natureza do inconsciente é provavelmente este: é suposto que seu conteúdo tenha apenas um significado e está marcado como um sinal de mais ou menos inalterável. Na minha humilde opinião, essa visão é muito ingênua. A psique é um sistema auto-regulado que mantém seu equilíbrio assim como o corpo. Todo processo que vai longe demais, imediata e inevitavelmente, provoca compensações e, sem elas, não haveria nem metabolismo normal nem psique. Nesse sentido, podemos tomar a teoria da compensação como uma lei básica do comportamento psíquico…. Quando pretendemos interpretar um sonho, é sempre útil perguntar: Que atitude consciente este sonho compensa? ” (1934, 101)

Recomendado:  Sonhos Lúcidos: O Que São e Como Posso Ter Um?

Compensações redutivas

Às vezes, a compensação pode assumir uma forma crítica, que Carl Jung chamou de compensações redutivas. Os sonhos às vezes trazem uma dose disciplinadora de humildade quando o ego desperto se torna muito insuflado ou presunçoso (os antigos gregos chamavam isso de arrogância). De acordo com Jung, os sonhos nos dão retratos honestos de quem realmente somos. Se pensarmos muito sobre nós mesmos, a natureza compensatória da psique produzirá sonhos que nos trarão de volta às nossas profundezas. Se estivermos muito impressionados com nossa própria bondade e retidão moral, estaremos propensos a ter sonhos que nos lembrem de nossos pecados, nossas falhas, nossos impulsos malignos, nossas racionalizações hipócritas e enganos para proteger o ego.

“Existem pessoas cuja atitude consciente e desempenho adaptativo excedem suas capacidades como indivíduos; ou seja, eles parecem ser melhores e mais valiosos do que realmente são. Eles não cresceram internamente ao nível de sua eminência externa, razão pela qual o inconsciente em todos esses casos tem uma função compensadora negativa, ou redutora. Toda aparência de falsa grandeza e importância se desvanece diante das imagens redutoras do sonho, que analisa sua atitude consciente com crítica impiedosa e traz à tona um material devastador contendo um inventário completo de todas as suas fraquezas mais dolorosas.”

A função prospectiva

Os sonhos podem ter muitas funções diferentes, e Jung não insistia que cada sonho se encaixasse em uma de suas categorias. Mas, além da compensação, ele propôs outra função importante do sonho, que chamou de função prospectiva. Isso não é profecia, embora se sobreponha às visões religiosas tradicionais sobre os sonhos que oferecem vislumbres e visões de possibilidades para o futuro.

Carl Jung disse que a função prospectiva se concentra principalmente no crescimento futuro do indivíduo ao longo do caminho em direção a uma maior integração psicológica e plenitude. Se pudermos aprender a compreender esses sonhos em perspectiva, eles podem oferecer uma fonte importante de inteligência e percepção inconscientes.

Recomendado:  Significado dos Pesadelos

“A função prospectiva é uma antecipação no inconsciente de realizações conscientes futuras, algo como um exercício preliminar ou esboço, ou um plano esboçado com antecedência…. Não é surpreendente que a função prospectiva dos sonhos às vezes seja muito superior às combinações que podemos prever conscientemente, uma vez que um sonho resulta da fusão de elementos subliminares e é, portanto, uma combinação de todas as percepções, pensamentos e sentimentos que a consciência não registrou por causa de sua fraca acentuação…. Em relação ao prognóstico, os sonhos muitas vezes estão em uma posição muito mais favorável do que a consciência.”

Imagens arquetípicas e “grandes sonhos”

Carl Jung deu grande ênfase aos sonhos com imagens extremamente vívidas. Ele os considerava como expressões de padrões inconscientes mais profundos de significado instintivo e sabedoria que chamou de arquétipos. Essas imagens oníricas ajudam a nos conectar com as energias primordiais da psique, cujo objetivo final de desenvolvimento é nossa totalidade como humanos, o que Jung chama de individuação.

Daí o interesse de Jung na distinção entre sonhos “grandes” e “pequenos”. Os grandes sonhos giram em torno de imagens arquetípicas poderosas do inconsciente coletivo. Esses sonhos são marcos no caminho da individuação.

“Nem todos os sonhos têm a mesma importância. Mesmo os primitivos distinguem entre sonhos “pequenos” e “grandes” ou, como poderíamos dizer, sonhos “insignificantes” e “significativos”. Olhando mais de perto, “os pequenos sonhos são os fragmentos noturnos de fantasia que vêm da esfera subjetiva e pessoal, e seu significado é limitado aos assuntos do dia a dia. É por isso que tais sonhos são facilmente esquecidos, justamente porque sua validade se restringe às flutuações do dia-a-dia do equilíbrio psíquico. Os sonhos significativos, por outro lado, costumam ser lembrados para o resto da vida e, não raro, provam ser a jóia mais rica do tesouro da experiência psíquica”.

Não deixe de verificar todas as obras conhecidas de Jung para um maior contexto de todo o seu trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *